CARLOS LULA PRINCIPAIS FATOS: POBREZA E POBRE SAÚDE

Pobreza e problemas de saúde em todo o mundo estão inextricavelmente ligados.

O que vincula pobreza e problemas de saúde?

Pobreza e problemas de saúde em todo o mundo estão inextricavelmente ligados. Carlos Lula explica que as causas dos problemas de saúde de milhões em todo o mundo estão enraizadas em injustiças políticas, sociais e econômicas. A pobreza é tanto causa como consequência de problemas de saúde. A pobreza aumenta as chances de problemas de saúde. A saúde precária, por sua vez, aprisiona as comunidades na pobreza. Doenças tropicais infecciosas e negligenciadas matam e enfraquecem milhões das pessoas mais pobres e vulneráveis ​​a cada ano.

Que outras ligações existem entre pobreza e problemas de saúde?

  •  As estruturas econômicas e políticas que sustentam a pobreza e a discriminação precisam ser transformadas para que a pobreza e a saúde precária sejam enfrentadas.
  • Grupos marginalizados e indivíduos vulneráveis ​​são freqüentemente os mais afetados, privados de informações, dinheiro ou acesso a serviços de saúde que os ajudariam a prevenir e tratar doenças.
  • Pessoas muito pobres e vulneráveis ​​podem ter que fazer escolhas difíceis – conscientemente colocando sua saúde em risco porque não podem ver seus filhos passar fome, por exemplo.
  • As barreiras culturais e sociais enfrentadas por grupos marginalizados – incluindo comunidades indígenas – podem significar que eles usam menos os serviços de saúde, com sérias consequências para sua saúde. Isso perpetua seus níveis desproporcionais de pobreza.
  • O custo de honorários médicos, medicamentos e transporte para chegar a um centro de saúde pode ser devastador, tanto para um indivíduo quanto para seus parentes que precisam cuidar deles ou ajudá-los a encontrar e pagar pelo tratamento. Nos piores casos, o peso da doença pode significar que as famílias vendem suas propriedades, tiram os filhos da escola para ganhar a vida ou até começam a mendigar.
  • O fardo de cuidar é freqüentemente assumido por uma parente do sexo feminino, que pode ter que desistir de sua educação, ou assumir um trabalho assalariado para ajudar a pagar as despesas domésticas. A falta de educação tem implicações de longo prazo para as oportunidades da mulher mais tarde na vida e para sua própria saúde.
  •  Condições de vida superlotadas e precárias podem contribuir para a disseminação de doenças transmitidas pelo ar, como tuberculose, e infecções respiratórias, como pneumonia. Depender de fogueiras ou fogões tradicionais pode levar à poluição mortal do ar interno. A falta de alimentos, água potável e saneamento também pode ser fatal.

Quais doenças infecciosas são as principais causas de morte no mundo?

HIV, diarréia, tuberculose e malária, bem como doenças respiratórias transmissíveis, como pneumonia, matam a maioria das pessoas. Carlos Lula explica que a diarreia, a pneumonia e a malária são responsáveis ​​por quase metade das mortes infantis no mundo.

Leia mais em:Secretário Carlos Lula anuncia reconfiguração da rede de saúde do Estado

As doenças tropicais negligenciadas afetam mais de um bilhão de pessoas, quase todas nas comunidades mais pobres e marginalizadas. Você pode não ter ouvido falar de doenças como lepra, filariose linfática, oncocercose, esquistossomose, helmintos transmitidos pelo solo e tracoma, mas elas podem causar dores fortes e incapacidades para o resto da vida – e significam enormes perdas de produtividade. No entanto, os esforços para enfrentá-los geralmente ficaram em segundo plano para os maiores assassinos.

Quais são as doenças não transmissíveis mais mortais em todo o mundo?

O Carlos Lula explica que as maiores causas de morte não transmissível são as mortes maternas e neonatais e as mortes relacionadas à má nutrição, doenças cardiovasculares e doenças respiratórias não transmissíveis.

Como as doenças e infecções afetam o crescimento econômico?

  •  Vidas perdidas significam redução da produtividade econômica e também tragédia pessoal. A produtividade é ainda mais reduzida quando as pessoas estão doentes ou cuidando de outras. Houve 1,7 mortes relacionadas ao HIV em 2007 e 990 mil mortes por tuberculose. A maioria deles ocorreu entre jovens e adultos em seus anos mais produtivos.
  • Em países fortemente afetados, bilhões de dólares em atividades econômicas são perdidos a cada ano como resultado de doenças e mortes por HIV, tuberculose e malária. Isso pode reduzir seriamente o crescimento econômico em países que já estão passando por dificuldades. A malária reduz o crescimento econômico em 1,3% nos países fortemente afetados e custa cerca de US $ 12 bilhões em perda de PIB em toda a África. A tuberculose custa cerca de 7% do PIB nos países mais afetados.

Como a comunidade global respondeu?

Os líderes mundiais e organizações internacionais lentamente despertaram para o impacto das doenças infecciosas mais prevalentes. A Organização Mundial da Saúde declarou emergências globais de TB, HIV e malária. Reduzir a propagação e tratar o HIV, TB, malária e outras doenças também é um dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. 

No entanto, além de combater doenças específicas, é crucial que os líderes também abordem as causas subjacentes. É amplamente aceito que a principal razão para o aumento da expectativa de vida nos países ricos no final do século 19 e início do século 20 teve menos a ver com os avanços na ciência médica e mais com a chegada de uma nutrição melhor e água potável e saneamento.

Reduzir a pobreza, melhorar a nutrição e garantir que as pessoas tenham acesso a água potável e saneamento, bem como fortalecer os sistemas nacionais de saúde, é de extrema importância. Caso contrário, atacar uma ameaça em particular simplesmente deixa as pessoas expostas a outra doença mortal logo depois.

De acordo com Carlos Lula, lidar com as causas estruturais da pobreza e da saúde precária, por exemplo, exigir medidas para combater a desigualdade e injustiças, como a evasão fiscal corporativa, é fundamental para o que é necessário da comunidade global.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *